3 de agosto de 2018

Se queres saber de mim

Se queres saber de mim

Se queres saber de mim
procura-me
sem medos
na solidão
na paz
na doce calma
no silêncio suspenso

da charneca perdida
na lonjura da planície
e nos montados
no ondular do vento
sobre as searas
nos poentes de fogo
a inundar de luz rósea
transparente
esta terra dolorida

Se queres saber de mim
procura-me
sem medos
na brancura da cal
incendiada
nos olhos
de infinita tristeza
dos ciganos
sempre a chegar
e a partir

Se queres saber de mim
procura-me
sem medos
no sangue vivo
dos sobreiros
nas lágrimas da chuva
de setembro
na roseira brava
na flor de esteva
no alecrim
no rosmaninho perfumado

Se queres saber de mim
despoja-me de tudo
deixa apenas
que a ternura
te conduza
e abraça-me
sem medos
através do nevoeiro
levíssimo
de todos os Outonos.

Idalete Giga,In O Canto da Palavra

Ningún comentario:

Publicar un comentario