6 de marzo de 2016

LOPO LÍAS

LOPO LÍAS [B 1343 / V 950]

Desto son os zevrões
de ventura minguada:
ergen-se nos arções
da sela canterlada,
e dand'os nadigões;
e diss'a ben talhada:

«Maa sela tragedes,
por que a non cosedes?
Maa sela levades,
por que a non atades?».

Desto son os zevrões
de ventura falida:
ergen-se nos arções
da sela come podrida,
e dand'os nadigões;
e disse-lh'a velida:

«Maa sela tragedes,
por que a non cosedes?
Maa sela levades,
por que a non atades?».

Direi-vos que del ouço:
en día de sa voda,
ao lançar do touço,
da sela rengelhosa,
feriu de cu a bouço
e disse-lh'a fermosa:

«Maa sela tragedes,
por que a non cosedes?
Maa sela levades,
por que a non atades?».

Ningún comentario:

Publicar un comentario